MOSTRA LAB

MOSTRA LAB

O Espaço Aberto Pierrot Lunar (rua Ipiranga, 137 – Floresta) recebe entre os dias 01 e 12 de agosto a 7ª edição da Mostra-LAB. O festival de cenas de curta duração, de até 15 minutos, tem ingressos R$10 (inteira) e R$5 (meia), à venda na bilheteria do local. O evento contará com 12 dias de mostra, 45 experimentações curtas, 12 bate papos, 42 cenas nacionais e três internacionais. A partir de uma parceria com o Corredor Latino-Americano de Teatro e abertura a inscrições de trabalhos do exterior, a iniciativa amplia seu olhar internacional, com representantes de Belo Horizonte, São João Del Rei, Betim, Rio de Janeiro, das cidades argentinas de Rosário e Corrientes e do País Basco.

Pela primeira o evento terá sessões com tradução simultânea em Libras. Além disso, os tradicionais debates após as apresentações serão expandidos em mesas-redondas entre articuladores culturais mineiros, possibilitando um encontro inédito e frutífero para a construção de possíveis novas mobilizações culturais e fortalecendo também as já existentes.

Realizada pela primeira vez em 2012, A-Mostra.LAB vem se consolidando na cena artística de Belo Horizonte, nacional e internacional – o festival abre espaço a experimentações curtas, que podem transitar entre teatro, dança, performance e outras artes. “Com um processo de participação aberto, simples, horizontal e sem curadoria, ela permite que novos artistas mostrem seus trabalhos e artistas estabelecidos explorem novas possibilidades, dando visibilidade para obras que de outra forma não chegariam ao público”, afirma o coordenador geral do evento, Igor Ayres.

A atual edição tem buscado resgatar os conceitos iniciais de criação da A-Mostra, no sentido de desburocratizar os processos, com inexistência de curadoria, estimulando experimentação livre, de caráter marginal/urbano e ruído, além de aumentar a troca e diálogo entre os participantes. Com ampliação do formato em relação à última edição, realizada em 2016, A.Mostra-LAB espera receber um público de cerca de 1.500 pessoas – historicamente o festival tem casa com carga de ingressos praticamente esgotados todos os dias.

Histórico

Com coragem e muito desejo de troca, a A-Mostra.lab surgiu em 2012 como um projeto que buscava dar voz para a criação e a experimentação em Artes Cênicas para jovens artistas que não se sentiam contemplados pelo espaço de cenas curtas em Belo Horizonte. Sem patrocínio e feito a várias mãos, o projeto teve suas duas primeiras edições abraçadas pela cidade e se consolidou como um ambiente democrático, aberto para receber com afeto seus artistas participantes, sempre com mediadores experientes para conversas abertas ao público a cada sessão. A proposta de laboratórios de criação entre coletivos participantes também aparece como mais uma possibilidade de intercâmbio, troca, diálogos, que vêm dar potência às demandas dos envolvidos e gerar novos processos, novos trabalhos.

Até a sexta edição, em 2016, foram apresentadas um total de 167 cenas curtas, vindas de várias cidades do país e vistas por milhares de pessoas. Outro destaque é a realização de momentos LAB – laboratórios de troca de experiência entre os participantes, assumindo formato diferente a cada edição. Em seis anos, o projeto já passou por palcos de teatros importantes para a cidade, como Esquyna, Espanca!, Pierrot Lunar, João Ceschiatti/Palácio das Artes e Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB).

Em 2014 o projeto contou com o fomento do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte e realizou, dessa forma, a maior mostra de cenas curtas da América Latina, possibilitando a participação de 64 cenas, abarcando com isso diversas linguagens das artes cênicas, perpassando, sobretudo, teatro, dança e performance. Em tal ano, foram apresentados trabalhos de Minas, Rio, São Paulo e Bahia, com dois laboratórios de trocas, 16 rodas de conversa, bate-papos e trocas, mais de 150 artistas envolvidos ao longo de 17 dias, quatro espaços de BH e público de mais de mil pessoas.

Mediadores da A.Mostra-LAB 2018 (bate-papos)

01/08 (Quarta) – Ângela Mourão

02/08 (Quinta) – Cynthia Paulino

03/08 (Sexta) – Geraldo Octaviano

04/08 (Sábado) – Neise Neves

05/08 (Domingo) – Rita Clemente

06/08 (Segunda) – Leticia Castilho

07/08 (Terça) – Soraya Martins

08/08 (Quarta) – Raquel Pedras

09/08 (Quinta) – Vinicius Souza

10/08 (Sexta) – Rogerio Lopes

11/08 (Sábado) – Jose Walter Albinati

12/08 (Domingo) – Marcos Coletta

Laboratórios

– Lab #01 (01 a 06 de Agosto): Nina Caetano com o “Manifesto para uma revolução”.

– Lab #02 (07 a 12 de agosto): Barulhista + Fabiano Lana – “Quem tem medo de tecnologia?”

SERVIÇO

3º A.MOSTRA-LAB – FESTIVAL DE CENAS CURTAS

Quando: 01 (quarta) a 12 de agosto (domingo) de 2018, às 20h

Onde: Espaço Aberto Pierrot Lunar (rua Ipiranga, 137 – Floresta – BH/MG)

Quando: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Vendas: no local (a partir de 1h antes de cada sessão)

Classificação: 16 anos

Mais informações: (31) 2514-0440 (bilheteria Espaço Aberto Pierrot Lunar)

Contato: lab.amostra@gmail.com

Redes sociais:

fb.com/amostra.lab

instagram.com/amostralab

———————————————————————————————-

Assessoria de Imprensa

RIZOMA COMUNICAÇÃO

João Marcos Veiga (31.9.8788.4534) e Beatriz França

rizomaimprensa@gmail.com

——————————————————————————————————————————–

PROGRAMAÇÃO

01 | AGOSTO – QUARTA (20H)

– “Sorrisos Amarelos”

– “Pas-sos”

– “Paralelas”

– “Uma receita de como matar baratas”

02 | AGOSTO – QUINTA (20H)

– “Welcome to 2052”

– “Mesmo que eles voltem ou além disso, mais nada.”

– “Festival de Encontros Significativos para uma nova era.”

03 | AGOSTO – SEXTA (20H)

– “Desate!”

– “Umbilical”

– “Foi só para continuar viva”

– “Influxo”

04 | AGOSTO – SÁBADO (20H)

– “Não me TOC”

– “Crônicas sobre o Amor”

– “Confins”

– “Conchabana”

05 | AGOSTO – DOMINGO (20H)

– “Maré”

– “Ouroboros”

– “Manifesto falo pela minha diferença ou a vida é como se me batessem com ela”

– “Bicho Homo”

06 | AGOSTO – SEGUNDA (20H)

– “Ensaio sobre a violência”

– “Queda da própria altura”

– “Liturgia”

– “Fome!”

07 | AGOSTO – TERÇA (20H)

– “Sobre el daño del tabaco”

– “Olha o pesado aí”

– “Cárcere”

– “__________: uma ideia __________”

08 | AGOSTO – QUARTA (20H)

– “Pombos Não Comem Cheetos!”

– “Tetas ao vento”

– “Te Digo Adeus e Não Peço Que Voltes”

– “Necessito Ser”

09 | AGOSTO – QUINTA (20H)

– “Los Sonambulos”

– “Eu sou sereia, bebê!”

– “O que fica”

10 | AGOSTO – SEXTA (20H)

– “Nosce te ipsum”

– “Um suposto fim”

– “SAL”

– “Moeda de Troca”

11 | AGOSTO – SÁBADO (20H)

– “O tenista”

– “Complexo Comum”

– “Pele”

12 | AGOSTO – DOMINGO (20H)

– “Mata Rasteira”

– “Preso e o Liberto”

– “Entre Vazios Lotados: Do Feminino ao Sagrado”

– “a sede do peixe – secar”

FICHA TÉCNICA

Realização: Lei Municipal de Incentivo à Cultura | Fundação Municipal de Cultura | Prefeitura de Belo Horizonte | Thyssenkrupp

Coordenação Geral/ Cinegrafista: Igor Ayres

Coordenação Técnica: Cristiano Diniz

Comunicação e Gestão Web: Ramon Brant

Coordenação de Produção: Michelle Barreto

Logística: Mariana Rabelo

Assessoria de Imprensa: Bia França

Produção: Gu Freitas

Produção: Stephanie Cunha

Assistente de Produção: Cora Rufino

Técnica: Lui Rodrigues

Técnica: Elvis Damasceno

Intérprete de Libras: Uziel Ferreira

Cobertura Fotográfica: Dentro da Cena

Estágio de Produção: Bárbara Martins e Kamila Nina

Estágio de Fotografia Cênica: Rodrigo Carizu e Thaís Emediato

Apoio: CRJ – Centro de Referência da Juventude | Mais Cultura | Espaço Aberto Pierrot Lunar

——————————————————————————————————————————–

Sobre os coordenadores da Mostra LAB 2018

Igor Ayres é ator formado pelo CEFAR (2008) e Especialista em Artes visuais pelo Senac (2010). Nos últimos anos vem se dedicando à direção teatral, além de ser um dos organizadores do festival de cenas curtas experimentais A-Mostra.Lab. Recentemente esteve em Buenos Aires, no Centro Latinoamericano de Creación e Investigación Teatral fazendo cursos de Preparação de Atores e Direção Teatral.

Cristiano Diniz – Coordenador Internacional CLT / Estado de Minas Gerais, Brasil. Cristiano Diniz é formado em Artes Cênicas pela UFMG, Mestrando em Artes Cênicas pela UFOP. Atualmente é professor no CEFART do curso de Tecnologia da Cena e da UFMG nas cadeiras de Iluminação, Cenografia e Produção Cultural. Foi professor temporário de Direção, Iluminação e Cenografia no Curso de graduação em Teatro da UFSJ, Trabalha como ator, dublador, iluminador, cenógrafo e performer; é Coordenador Técnico dos festivais: FETO (Festival Estudantil de Teatro), Festival de Artes Cênicas de João Monlevade e um dos idealizadores e coordenadores do A-Mostra.Lab, Curta Dança, Curta Jovens Realizadores e Encontro Latinoamericano de Teatro de Grupo. Fez circulação do Sesc Palco Giratório como produtor executivo da Cia 5 Cabeças em 2016 e Pigmalião em 2017. Hoje é também ator convidado da Cia Pierrot Lunar, iluminador dos grupos, Grupo dos Dois Trampulim, e Cia Negra; além de outros trabalhos com cinema, teatro, dança e performance.

Ramon Brant é ator e publicitário, graduado em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda). Formado em Teatro e Arte dramática no Centro de Formação Artística do Palácio das Artes (CEFAR). Estudou Desenvolvimento e Gestão Cultural pelo Observatório da Diversidade Cultural e é idealizador do projeto Chá com Cartas, de incentivo à escrita de cartas e ocupação do espaço urbano. Têm em repertório os espetáculos: “A Máquina de Fazer Espanhóis”, direção de Cláudio Dias (Luna Lunera); “19:45” e “Ricochete”, direção Rita Clemente; “Chão de Pequenos”, direção Tiago Gambogi e Zé Walter Albinati.

Michelle Barreto é graduada em Artes Cênicas pela UFMG e Técnica em Arte Dramática pelo Centro de Formação Artística (CEFAR). Cursou no SEBRAE: Gestão de pequenas empresas, Análise e Planejamento Financeiro e Plano de negócios. Foi Coordenadora de Produção da Associação No Ato de 2013-2018, onde trabalhou no FETO Festival Estudantil de Teatro e na Mostra Diálogos Cênicos. É idealizadora, produtora e musicista do projeto Abre a Roda Mulheres no Choro. É diretora, produtora e atriz do espetáculo 19a Conferência para o Fim do Mundo. Foi produtora da Imago Filmes e da Transversal Produções (cinema), foi produtora de elenco para banco de atores da Conspiração Filmes MG, produziu a primeira edição da Mostra Diversas Feminismo, arte e resistência. Produziu o Grupo Teatro Invertido por dois anos. Foi produtora freelancer do Galpão Cine Horto. Produziu os espetáculos “ADEUSÀMORTE” de Cristiano Peixoto, “E Peça que nos perdoe” de Lira Ribas,”Robison” de Francis Severino e Polissonografia de Júlio Maciel.

DADOS DAS CENAS (ORDEM DE APRESENTAÇÃO)

1- GRUPO: Grupo de Teatro Segredo

CENA: Sorrisos Amarelos

FICHA TÉCNICA

Texto: Gleison Peixoto

Direção: Fabiola Moura

Atuação: Fabiola Moura

Luz e Som: Igor Viana

SINOPSE: Nossas Vidas hoje se partem entre o que somos e o que parecemos ser. Nas redes sociais e nos círculos de amizade, usamos o melhor sorriso. E Eduarda e mais uma dessas mulheres da geração facebook onde os problemas e dores são substituídos por postagens feliz com sorrisos amarelos de bom dia. Mas qual a verdade? Quem realmente é e o que sente Eduarda? Você quer saber ou simplesmente vai pular essa historias?

——————————————————————————————————————-

2- GRUPO: azo cia de teatro

CENA: pas-sos

FICHA TÉCNICA

Atuação, direção, dramaturgia: Júnio de Carvalho

Co-direção e provocação dramatúrgica: Camélia Amada

Orientação: Maria Clara Férrer

Iluminação: Júnio de Carvalho

Operação de Som e Luz: Thales Henrique Rocha

Costureira: Lucimara de Carvalho (minha mãe)

Provocação Criativa: Juliana Mota, Luís Firmato, Lucimélia Romão, Juliana Monteiro.

SINOPSE: A cada passo…Menino. Homem. Um corpo, inundado de vozes, caminha por memórias e resiste à gravidade. Se mantém de pé. Céu nublado de lembranças. Parece que vai chover em mim! Água que alimenta um rio de histórias que segue em direção à imensidão do mar. Pode a maré alta varrer tudo? Passo a passo, a cena propõe um espaço vazio em que são inscritas situações relacionadas à família, à saudade, à memória e ao desenvolvimento humano. Para que lugar você gostaria de caminhar?

—————————————————————————————————————-

3- GRUPO: Cia de teatro Gaveta Caída

CENA: Paralelas

FICHA TÉCNICA

Luciana Coelho – atriz

Verônica Lana – atriz

Raul Hermisdorf – ator

Joana Luz – operadora de luz e som

SINOPSE:

Duas mulheres. Duas histórias diferentes com um ponto em comum: um homem. Paralelas traz dois relatos distintos sobre as dificuldades de ser mulher num mudo predominantemente masculino.

——————————————————————————————————

4- GRUPO: (não possui)

CENA: Uma Receita De Como Matar Baratas

FICHA TÉCNICA

Direção: Deydson Tcharles

Co-direção: Diego Gomes

Elenco: Jéssica Ricci

Expressão Corporal – André Luis Vicente

Expressão Vocal – Deydson Tcharles

Iluminação: Anneliese Motta

Trilha Sonora: Deydson Tcharles

Fotografia – Letícia Bezamat e Marina Martins

Livre Inspiração da Obra de Clarice Lispector

SINOPSE: Esta história poderia se chamar “As Estátuas”. Outro nome possível é “O Assassinato”. E também “Como Matar Baratas”. Farei então pelo menos três histórias, verdadeiras porque nenhuma delas mente a outra. Embora uma única, seriam mil e uma, se mil e uma noites me dessem.

—————————————————————————————-

5- GRUPO: Caravana Comigo

CENA: Welcome to 2052

FICHA TÉCNICA

Texto: Edu Lancasteri
Atuação: Edu Lancasteri
Participação em cena: Tom Tafer
Provocações: Fabrício Rocha
Operação de luz e som: Txay Tamoyos

SINOPSE

Um país sem história, uma sociedade apática e um estado opressor.
Em um caótico cenário político de 2052, o filho de um revolucionário narra com fatos o que levou o país a sua ruína e tenta um levante contra o atual governo.
Se o que vivemos hoje é assustador, a projeção do futuro pode ser bem pior.

6- GRUPO: (não possui)

CENA: Mesmo que eles voltem ou Além disso, mais nada

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Arthur Barbosa e Kaká Correa

Direção: Arthur Barbosa e Kaká Correa.

Concepção de luz: Kaká Correa

Assistência de luz e operação: Leandro Bolina

Trilha Sonora: Leticia Bezamat

Cenografia: Arthur Barbosa

Atuação: Arthur Barbosa, Camila Furtunato e Kaká Correa

SINOPSE:

Alguma coisa já aconteceu. A renúncia do movimento parte da vontade e da esperança de algo que virá. Mais de uma vida coberta por elas. Todos ficam? Será que há algo que você precisa saber ou é para testar até onde você consegue ficar? Permanecer.

———————————————————————————-

7- GRUPO: (não possui)

CENA: Festival de Encontros Significativos para uma Nova Era

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia Coletiva

Textos: Bremmer Guimarães, Francisco Dornellas e Victor Dornellas

Direção: Thiago Amador

Atuação: Bremmer Guimarães e Victor Dornellas

Iluminação e Trilha Sonora: Thiago Amador

SINOPSE: O que nos faz cair? Quais quedas estão marcadas em nosso corpo? Quais pesos carregamos? Uma dupla de carregadores de caixas têm o tempo de uma espera para tentar levantar possíveis respostas e soluções.

—————————————————————————————————–

8- GRUPO: Grupo Confesso

CENA: Desate!

Ficha Técnica:

Adaptação da obra: ”Vermelho Amargo” de Bartolomeu Campos de Queirós.

Direção: Guilherme Colina

Atuação: Íris Harry

Iluminação: Heron Loreto

Produção: Lice Calixto

Sinopse: A ausência do amor, cerne da dor de um ser que, diante do amargor que surge do excesso da falta – falta que só faz brotar tomates sangrentos, e que nos enfia-os goela abaixo, acompanhados da obrigatoriedade de seguir em frente, diante das perdas – sucumbe em sons de gotas amargas na madrugada e permanece na eterna tentativa de abafar esse barulho com um trapo de pano.

—————————————————————————————–

9- CENA: Umbilical

FICHA TÉCNICA: Atuação: Alessandra Salomão.
Dramaturgia: Alessandra Salomão.
Direção: Alessandra Salomão.
Assistência de Direção: Francisco Matias.
Orientações dramatúrgicas: Francisco Matias.
Iluminação: Francisco Matias.

SINOPSE: A proposta de cena se desenvolveu através de pesquisas que abrangem a relação mãe/filha nas suas múltiplas dimensões. Utilizo minhas memórias que foram vivenciadas dessa relação mãe e filha como matéria prima desse trabalho. Através dessas lembranças foram construídas histórias, imagens e narrativas, criando um jogo em que as memórias se cruzam e se atravessam por essa relação.

—————————————————————————————–

10- GRUPO: Transitório Encontro

CENA: Foi só pra continuar viva

FICHA TECNICA

Atriz: Fabíolla Martins

Direção: Débora Vieira

Dramaturgia: Fabíolla Martins e Débora Vieira

Iluminação: Fabiano Lana

Cenário e Figurino: Carloman Bonfim

Fotografia: Lucas Ávila

SINOPSE

O que você já fez pra não morrer de fome? O que já te obrigaram a fazer e você fez pra não morrer de tiro? Acredite ou não, vos digo que há entre nós, aqueles que já precisaram subir num palco pra não virar estatística.

———————————————————————————————–

11- GRUPO: InFluxo

CENA: InFluxo

Ficha técnica:

Ficha Técnica

Atuação: Daniele Amaral

Direção: Carolina Cândido

Assistência de Direção: Gutto Alves

Dramaturgia: Daniele Amaral

Composição: Daniele Amaral

Preparação/Assessoria Corporal: Gutto Alves

Preparação/Assessoria Vocal: Isabela Arvelos

Cenografia: Coletiva

Figurino/Caracterização: Daniele Amaral

Iluminação: Artur Barbi

Trilha Sonora: Coletiva

Fotografia: Carolina Cândido e Alisson Oliveira

Arte Gráfica: Nai Rezende

Produção: Nai Rezende e Alisson Oliveira

Produção Executiva: Nai Rezende

SINOPSE:

Dedo de moça, rosas vermelhas, dama da noite, lenço virgem…Será que ainda dá tempo de comprar mais alguma coisa? Dias mais longos amor verdadeiros… Será que ele tem um smoking? Dias mais longos amor verdadeiro, dias mais longos amor verdadeiro…Será que a lua influência? Em que lua estamos hoje? Dias mais longos amor verdadeiro, dias mais longos amor verdadeiro…

—————————————————————————————————————

12- GRUPO: Cia. Desata Nós

CENA: Não me TOC

Ficha técnica:

Direção: Nathália Braz

Dramaturgia: Irati Chapuis

Interpretação: Felipe Carvalho/Irati Chapuis/ Nathália Braz/ Wyvison Vinícius

Iluminação: Gabriel Demaria

Sinopse:

Qual é a sua mania? Quais as barreiras existentes entre você e o outro? Quais são as regras? O que te impulsiona? A cena curta Não me TOC aborda questões sobre um padrão de vida perfeito e a necessidade de tentar satisfazer o vazio da vida cotidiana. Os atores personagens mesclam o que é real e fictício e em meio a crises, compulsões e conflitos pessoais demonstram a felicidade ilusória de um jantar entre amigos.

13- GRUPO: Cena a dois

CENA: Crônica sobre o amor

FICHA TÉCNICA: Texto: Ferreira Gullar

Direção: Priscila Natany

Atuação: Julio Cesar Campagnolo e Priscila Natany

SINOPSE: A partir do método “romance-em-cena”, proposto por Aderbal Freire-Filho, em que um texto narrativo é transposto integralmente para o palco, a encenação traz uma crônica de Ferreira Gullar. Numa habilidosa mistura entre a literatura e o teatro, os narradores-personagens se abrem com a plateia a respeito dos sentimentos, pensamentos e atitudes que envolvem o processo de se estar apaixonado.

14- GRUPO: O Barqueiro produções

CENA: Confins

FICHA TECNICA

DIREÇÃO: EDSON FERNANDES

DRAMATURGIA: MARCIAL AZEVEDO

ATUAÇÃO: MÁRIO CORTÊS

PRODUÇÃO: LUCIANO PACCHIONNI

COMUNICAÇÃO: VERÔNICA BIZINOTTO

DIREÇÃO DE ARTE: EDSON FERNANDES

FOTOGRAFIA E FILMAGEM: BRAGA ANA E VILLA BARROLÓ

CENOGRAFIA: EDSON FERNANDES

FIGURINO: O COLETIVO

MÚSICA: JOÃO EDUARDO

SINOPSE: O sonho vendido a custo de suor do cabo da enxada, as histórias bordadas com carinho pelas mãos de quem viveu e cuidou dos filhos que logo cresciam e ali não tinham por onde andar, e era na cidade, virar doutor que queriam restar. Lá nos confins do coração, há poeira que sobrou na nossa caminhada para chegarmos até aqui, e tudo que vemos é fruto do homem agarrado a sua terra e sua vontade por manter o sertanejo vivo.

———————————————————————–

15- GRUPO: (NÃO POSSUI)

CENA: Conchabana

Ficha técnica:

* Concepção coreográfica: Bárbara Veronez e Mariana Razzi

* Intérpretes criadoras: Bárbara Veronez e Mariana Razzi

* Composição e guitarra flamenca: Micael Pancrácio

* Percussão: João Paulo Drumond

* Gravação: Eremita Estúdio

* Mixagem e masterização: Luiz Camporez

Sinopse:

ritmo que atravessa o Atlântico.signos culturais embebidos de subjetividades.

corpo estendido.pele rendada. cigania.

dança que se rende à mescla.

16- GRUPO: Átimo Coletivo

CENA: Maré

Ficha técnica

Compositor: Gustavo Felix

Coreógrafa e dançarina: Bárbara Maia

Fotógrafo: Janu Vieira

Iluminadora: Juliana Cancio

Instrumentistas: Alef Caetano, Diego Mancini, Gustavo Felix e Pedro Ramalho

Sinopse

Meu corpo, mesmo em pausas de palavras e silêncios de movimentos não se cala! Sou em parte reflexo e inquietude de outras antes e depois de mim, reverberando sentimentos, marcas, desejos, limites, saltos, buscas, dúvidas, certezas, lutas… Sou um estrondo!!!

17- GRUPO: (NÃO POSSUI)

CENA: Ouroboros

FICHA TÉCNICA: Direção e atuação: Juan Queiroz e Pablo Xavier

Dramaturgia: Juan Queiroz e Pablo Xavier, inspirado em textos de Liev Tolstói, Georg Trakl e Wislawa Szymborska

Preparação Corporal: Pablo Xavier

Composição de Trilha Sonora: Gabriel Cesário

Execução de trilha: Ivo Ivo Ivo

Figurino: Eliane Correia

SINOPSE: Corpos presos em um não-lugar passageiro que se encontram à beira do abismo. Rememórias sonhadas unem caminhos e fazem encontros. O desconhecido de uma nova existência faz destino: Para onde vamos depois que não resta mais nada?

——————————————————————————–

18- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Bicho Homo

SINOPSE: Se você olhar a realidade de frente, não consegue captá-la. Sociedade intelectual, formal, repleta de cidadãos de bom senso. Padrões burgueses inquestionáveis, admiráveis, com suas infinitas nomeações, titulações, convenções, rotulações, impressões, opiniões, opiniões, opiniões… Tudo é superfície. Por trás das plumas, o bicho Homo.

FICHA TÉCNICA:

Concepção e Atuação: Gabriela Fernandes e Sâmylla Aquino.

Dramaturgia: Gabriela Fernandes e Sâmylla Aquino.

Direção: Direção Coletiva

Trilha Sonora: Sâmylla Aquino

Iluminação: Iluminação Coletiva

19- GRUPO: coletivo945

CENA: Ensaio sobre violência

SINOPSE: Pós acontecimento no mundo determinou outras diretrizes nas relações humanas. lá fora a neblina está cobrindo tudo. Escuta: é o sentido que norteia o caminho – é preciso ouvir com cuidado para saber qual direção tomar. Ao sentir qualquer turbulência, proteja primeiro os olhos depois cubra a cabeça. Deite-se. Nós precisamos proteger uns aos outros. Nós precisamos estar aqui.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Diego Poça.

Atuação: Allane Machado e Larissa Guimarães.

Textos: Allane Machado; Iara Torres; Kamilla Nina, Larissa Guimarães.

Dramaturgia final: Allane Machado; Iara Torres; Kamilla Nina.

Técnica de Luz: Paula Valentin.

Técnica de Som: Kamilla Nina.

Figurino/Cenário: Coletivo.

Produção: Allane Machado; Cleiciane Mendes; Kamilla Nina.

———————————————————————————————-

20- Duna Dias/ Grupo Contemporâneo de Dança Livre

CENA: Queda da própria altura

SINOPSE: “Queda da própria altura” – solo de Duna Dias – evoca o transe de um corpo feminino exposto aos dilemas da metrópole e ao resgate de suas raízes. Uma mulher sempre alerta aos ataques sofridos em seu corpo ao longo das gerações.

FICHA TÉCNICA

Pesquisa, concepção e performance: Duna Dias

Direção compartilhada: Leonardo Augusto e Socorro Dias

Colaboração artística: Socorro Dias

———————————————————————-

21- Coletivo Despenca

CENA: Liturgia

SINOPSE: No fundo de uma igreja, duas irmãs famintas debatem se comem uma fruta que nunca viram antes. Em meio aos medos, dúvidas e a fome ambas percorrem as trajetórias de suas próprias vidas a fim de desvendar um só mistério: que alimento é esse?

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Thais D’Sousa

Direção: Gabi Luque

Produção: Débora Oliveira

Figurino: Jéssica Garcez

Cenário: Isadora Cansil

Iluminação: Edsel Duarte

Sonoplastia: Suellen Ohana

Fotografia: Maxwell Vilela

Atriz 1: Jéssica Garcez

Atriz 2: Thais D’Sousa

Atriz 3: Débora Oliveira

—————————————————————————-

22- GRUPO: NÃO POSSUI

Cena: Fome!

SINOPSE: Uma cena que reflete sobre o desejo inquieto e constante. Um encontro entre dois homens de naturezas distintas, cria-se, com a ausência da fala, um diálogo físico, sonoro, poético e possessivo. Um jogo entre desejos, ou a falta dele. Uma sensação que traduz o desejo, a necessidade de comer.

Fome de que?

FICHA TÉCNICA:

Criação assistida: Luis Carlos Garrocho

Concepção e atuação: Pedro Lanna e Rafael Batista

Orientação corporal: Sitaram Custódio

———————————————————————

23- GRUPO: SUTAKE

CENA: Sobre el daño del tabaco

FICHA TÉCNICA: IMANOL TOLARETXIPI – ACTOR

SINOPSE: Niujin, hombre de provincias, temeroso de su mujer: propietaria de una escuela de mùsica y de un pensionado de señoritas, se dispone a dar una conferencia con fines benèficos titulada “Sobre el daño que el tabaco causa a la Humanidad”. La conferencia se convertirà en un discurso apasionado sobre las frustraciones y anhelos del protagonista.

24- Coletivo Carolinas

CENA: Olha o pesado aí

SINOPSE: Duas mulheres negras revivem situações corriqueiras do dia a dia na favela e as dificuldades de uma mãe solo em conseguir sustento pra si e para seus filhos.

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Livremente inspirado no Livro Quarto de despejo da Maria Carolina de Jesus

Atrizes: Laura Cerqueira e Lucimélia Romão

Colaboração: Luiz Firmato e Rejane Faria

Luz e técnica: Eliezer Sampaio

—————————————————————————-

25- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Cárcere

SINOPSE:

Com textos da obra “De Profundis” de Oscar Wilde e inspiração na tragédia de Barbacena conhecida como Holocausto Brasileiro, a cena apresenta dois homens distantes no tempo e no espaço que se encontram encarcerados. Enquanto refletem como chegaram ali, eles se dão conta que não são apenas os muros de uma instituição o que os separa da sociedade.

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia e atuação: Íviler Rocha

Provocação cênica: Ana Gabi

Iluminação: Gabriel Corrêa

——————————————————————

26- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: __________: uma ideia __________

SINOPSE: 2018/nova/fracassada/1989/falsa/democracia/tesuda/imaginária/comum/ América Latina/teatro/morta/libertária/MPB/ficção/descolonização/ciclovias/ filhos/…/cu/silenciosa/perigosa/utópica/inventada/revolução/amor/poliamor/ real/esquerda/trabalho/sonhar/careta/2016/tirana/mercadoria/deles/velha/ direita/recorrente/medo/clichê/fascismo/nossa/vida/já/interrompida/./!/?

FICHA TÉCNICA:

Direção e dramaturgia: Tomás Sarquis

Atuação: Álisson Valentim, Axwell Godoi e Gra Bohórquez

Arte gráfica: Álisson Valentim e Thais Behar

———————————————————————

27- GRUPO: Alexandrino Mandou Pesquisa Teatral

CENA: Pombos Não Comem Cheetos!

SINOPSE: E se? E se tivéssemos a chance de voltar atrás, seríamos diferentes? ESTAMOS TENTANDO – CORRENDO ATRÁS DESTE TEMPO PERDIDO. E se? E se tivéssemos a chance de voltar atrás, faríamos melhor? ESTAMOS TENTANDO – CORRENDO ATRÁS DESSE TEMPO EM QUE NOS PERDEMOS. E se? E se tivéssemos a chance de… retorno? REPETIR REPETIR REPETIR… ATÉ FICAR DIFERENTE.

FICHA TÉCNICA:

(Livremente inspirado no texto “Claro” de David Ives)

Direção: Gu Freitas

Em cena: Guilherme Bolina e Gu Freitas

Cenário e Trilha Sonora: Gu Freitas

Figurino: Brechó da Carlota

Iluminação e Execução de Som e Luz: Thales Braga

Foto: Iza Bontempo

Agradecimentos: Paloma & Sartre (CRJ) + Bella + Rita Clemente + Família Bolina + Todos os Espaços Públicos que as cidades possuem!

————————————————————————-

28- Coletivo Transborda

CENA: Tetas ao vento

SINOPSE: De uma esteira de produção, surge o produto: um corpo industrial, embalado e pronto para ser exposto em vitrines, balcões e prateleiras. Dentro do plástico, até o oxigênio é limitado – é veneno e envenenado. E se fosse possível abrir uma janela?

FICHA TÉCNICA:

Concepção e criação: Erika Rohlfs e Clara Fadel

Direção: Erika Rohlfs

Atuação: Clara Fadel

Trilha sonora: João Carvalho

——————————————————————————–

29- Projeto Em Nome Da Vida

CENA: Te Digo Adeus e Não Peço Que Voltes

SINOPSE:

Elas estiveram juntas por muito tempo.

Vivendo juntas. Respirando juntas.

Mas agora elas precisam se despedir.

Seria possível viverem uma sem a outra?

FICHA TECNICA:

Dramaturgia, direção e atuação: Adelita Siqueira

Iluminação: Ana Flávia Moura

Sonoplastia: Kelly Souza

Assistente de produção: Cris Fons

Contrarregragem: Cristiano L.B.

———————————————————————

30- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Necessito Ser

SINOPSE: Silêncio s i l ê n c i o . Urge palavra. Grita fala. Transmuta indivíduo. Um Ser percebe-se vivo. Clama pelo entendimento da existência. O que seria de fato nascer? O que nos mantém vivos? O que está acontecendo a-g-o-r-a? A dor arde. A vida arde. E nem todos conseguem compreender isso. Mas será que precisamos? Como nos criamos? A necessidade de Ser transborda o corpo e submerge os preceitos da sociedade. O que se inunda em nós pode atravessar silêncios.

FICHA TÉCNICA:

Texto, Direção e Atuação: Daniel Gama

Operação de Luz e Som: Amanda Cardoso

——————————————————————————————————-

31- GRUPO:

CENA: Los Sonambulos

FICHA TÉCNICA:

SINOPSE: Un científico que conoce desde el comienzo del universo hasta el porvenir de la humanidad, dicta una conferencia en la cual tiene una historia más para contar

———————————————————————————–

32- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Eu sou sereia, bebê !

SINOPSE: Ser/aceitar ser/se aceitar do tamanho que se é – orgulhosamente plus size. Sim, sou gorda e feliz. Dúvida?

FICHA TÉCNICA:

Direção, atuação e figurino: Bella Michielini

Texto: Cynthia Paulino

Iluminação: Luiz Arthur

Maquiagem: Linda Paulino

Triha sonora: Bella Michielini e Cynthia Paulino

Foto: Fábio Teixeira

Operação técnica: Duda Michielini

Agradecimento: Escola de Teatro PUC Minas, Super Homem Sapata e a todas as mulheres que estão ensinando às outras a olhar seus corpos com carinho e admiração. Padrão de cu é rôla. Se ame!

———————————————————————————–

33- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: O que fica

SINOPSE:

O alarme toca. Eu conto 1, 2, 3. O alarme me sobressalta como uma freada brusca de um carro em movimento atravessado por alguém. Eu conto 26, 27, 28. E sem mais a calma do sono, o alarme me toca com angústia. Eu encontro 85, 86. Eu acordo sabendo que poderia dormir mais, mas mantenho os olhos fechados e de repente eu sou o motorista e alguém me atravessa. Eu perco as contas de quantas pessoas hoje eu toquei. Eu fico sendo atravessado… E você?

FICHA TÉCNICA:

Direção e Dramaturgia: Flor Barbosa

Elenco: Halyson Félix e Pedro Piazzi

Iluminação: Coletiva

Trilha Sonora: Babu Pereira

Cenário e Figurino: Halyson Félix

Arte: Lucas Megale

Produção: Halyson Félix

———————————————————

34- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Nosce te ipsum

SINOPSE:

Depois de um terrível golpe de Estado liderado por um ditador, um homem passa a ser procurado pelas autoridades devido à forte repressão que o seu povo, minoria religiosa no país, enfrenta. Mas é conversando consigo mesmo que ele irá descobrir a potência que existe dentro de si.

FICHA TÉCNICA:

Direção, texto e atuação: Caique Belchior

Assistência de Direção e Produção Executiva: Wemerson Moreira

Cenografia e figurino: Caique Belchior

———————————————————————————–

35- GRUPO: Atípico

CENA: Um suposto fim

SINOPSE: As experimentações de alguém buscando trazer aos olhos marcas de suas relações embaladas por dicotomias óbvias como o córrego e a vala, o indivíduo e a sociedade ou o indivíduo e o outro. Tenta abrir um canal que atravesse as discussões e alcance as reflexões sobre “o que fazer com aquilo que fizeram de mim?” fadada à mutação incessante.

FICHA TÉCNICA:

Concepção e atuação: Eugênio Rocha

Colaboração: Samara Martuchelli

Figurino: Samara Martuchelli e Eugênio Rocha

Luz: Gesiele Regina

Trilha Sonora: Eugênio Rocha e Samara Martuchelli

Fotografia: Bruno da Costa Lellis

—————————————————————————————

36- Grupo LAB

CENA: SAL

SINOPSE: Eu te amo. A coisa mais sincera que se pode dizer. A coisa mais séria que se pode dizer. Sem possibilidade de resposta. Uma frase e milhões de respostas, reverberações, possibilidades e teorias… A cena “SAL” traz à tona as consequências da (não)-pronúncia dessa frase. Duas personagens, um pedido e palavras não ditas que falam muito mais do que um Eu te amo poderia dizer.

FICHA TÉCNICA:

REALIZAÇÃO: Grupo LAB

ELENCO: Amanda Amaral e Kauê Rocha

TEXTO: Marcus Borja

PROVOCAÇÃO: Maria Clara Ferrer

DIREÇÃO: Direção Coletiva

——————————————————————-

37- GRUPO: Vertente Corpo Es’passo

CENA: Moeda de Troca

SINOPSE:

Moeda de troca conta a trajetória de quatro indivíduos que compartilham um mesmo espaço e investigam os fatos de uma possível guerra. As atrocidades daquele período reverberam em suas vidas e a única coisa que os une também é o que os separa. O que cada um tem a oferecer como troca? Bufunfa? Trampo? Disposição? Afeto? Colo amigo? Suor? Patada? Diversão? Sangue?

FICHA TÉCNICA:

DIREÇÃO: Ismael Soares

ELENCO: Dê Jota, Hewrison Ken e Ítalo Araújo

PRODUÇÃO EXECUTIVA: Lucas Prado

PRODUÇÃO: Paula Libéria

ILUMINAÇÃO: Ismael Soares

OPERAÇÃO DE LUZ: Lucas Prado

——————————————————————–

38- GRUPO: Circo Gamarra

CENA: O tenista

SINOPSE:

O esporte acompanha a história do circo desde seus primórdios. O palhaço Cloro, hábil artista circense, não poderia deixar de realizar uma cena em homenagem ao esporte. Por isso que irá a realizar uma demonstração de conhecido jogo de Tênis, onde apresentará os objetos e habilidades necessárias para dominar a técnica e não passar vexame no intento. Com vocês: o “O Tenista de raquete furada e suas bolas de tênis”

Diego Gamarra ( palhaço) Monique melo ( produção)

39- GRUPO: Controversa Coletivo

CENA: Manifesto falo pela minha diferença ou a vida é como se me batessem com ela

SINOPSE:

Ato de fala

FICHA TÉCNICA:

Idealização, iluminação, atuação e sonoplastia: Aron Costa

————————————————————————–

40- GRUPO: Cia Atemporal

CENA: Complexo Comum

Sinopse:

Terem nascido juntos não significou caminharem lado a lado. O rompimento da bolsa, mais que o parto, representou o rasgo em duas partes que jamais se completariam. A vida vem de dentro e do nada. O que se faz dela é desfiar um novelo que por vezes acaba em nó, mas nem por isso ata. À mãe coube alimentar: dar de comer ao corpo, às vaidades e às misérias de cada lado de um todo incompleto.

Dizem que amor de mãe é um só. Talvez fosse mesmo.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Coletiva

Figurino: Nathalia Claret

Iluminação: Criação coletiva

Texto: Criação coletiva I Orientação: Cynthia Iuryath.

Atuação: Bén Johnson, Luísa de Paula, Raphael Breno.

Apoio: Nathalia Claret, Cynthia Iuryath.

Fotografia: Nathalia Claret

—————————————————————

41- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: Pele

SINOPSE:

Aquela que envolve, que esconde, que cria contato, que entende o afeto.

Que é o limite da casa que hábito, que vira verbo na ação de pelejar, que transborda em um grito de arrepio.

Fronteira na relação do desejar, ela concede o padrão do gostar.

A Pele que pode Ser, estar, conhecer

E até escolher, o corpo mulher do como e onde se apresentar.

FICHA TÉCNICA:

Título: PELE

Intérprete criadora: Anne Caroline Vaz

Figurino: Anne Caroline Vaz e Flaviane Lopes

Edição da trilha sonora: Glaúce Almeida

Música: Ladrãozin

Compositor: Benjamin Abras

Duração: 8 minutos

Fotografia: Hélio Navarro

Assistente de Produção: Júlia Martins

Classificação: 12 anos

————————————————————

42- Grupo Caras Pintadas

CENA: Mata Rasteira

SINOPSE:

“Mata Rasteira” é uma cena inspirada no livro “Mata Rasteira” do escritor paulista Abner Laurindo. Trata-se da epopeia do menino Nlongi e sua luta por liberdade junto a negros e negras escravizados e trazidos para uma vida de injustiças no Brasil. Luta essa que culmina na criação do maior simbolo existente de resistência negra no mundo: A Capoeira.

FICHA TÉCNICA:

Cena: “Mata Rasteria”

Atuação e concepção: Rodrigo Negão

Direção: Benjamim Abras

Dramaturgia: Gabriel Coupe

—————————————————————————–

43- GRUPO: Sociedade dos Atores Vivos

CENA: Preso e o Liberto

SINOPSE:

Em meio a uma guerra político-social, durante uma missão de reconhecimento de um local abandonado, dois militantes de grupos rivais se encontram. Um se torna o preso, outro se mantém liberto, mas a relação que se estabelece entre eles pode transformar o que ambos acreditam ser verdades e apresentar os absurdos de uma guerra sem sentido!

FICHA TÉCNICA:

Elenco: Laurent Porto e Weslen Frederico

Direção: Valber Palmeira

dramaturgia, figurino e cenografia: Coletivo

Desenho de Luz: Laurent Porto

Operador de luz e som: Vitória Lopes

———————————————————————————-

44- GRUPO: La So

CENA: Entre Vazios Lotados: Do Feminino ao Sagrado

FICHA TÉCNICA: Atriz: Talitha
Direção: Talitha
Figurino: Talitha
Iluminação: Denner Moisés

SINOPSE: Trata-se da representação de um nicho de mulheres muito específico: as dissidentes (ou não) do mundo gospel. Entremeando trechos de uma música de um congresso de mulheres de uma igreja referência no meio com relatos de mulheres do Coletivo Redomas, procuramos denunciar situações de silenciamento vivenciadas pela linhagens pós modernas das Marias da bíblia: as putas e as virgens.

——————————————————————————–

45- GRUPO: NÃO POSSUI

CENA: ”a sede do peixe – secAR ”

SINOPSE:

A sede do peixe se dá num momento de crise hídrica, quando a secura (i)mobiliza corpos: um movimento que sonda onde se encontram as secas que destroem as vidas, os sentidos, as relações que assolam a politica e os fazeres. Que sede é essa? O que ela exaure? O que seca(mos)?

Que subjetividades se constituem num cenário em que a seca (de diversas naturezas) é Atônita.

FICHA:

Ítalo Augusto – Interprete, Criador

Pedro Vaz- performer colaborador- produção

Debora Oliveira- iluminação e Produção

——————————————————————————–

Data

10/08/18

Tempo

20:00

Custo

R$10 (inteira) / R$5 (meia)

Mais Informações

Leia Mais

Localização

Espaço Aberto Pierrot Lunar
(rua Ipiranga, 137 - Floresta
Categoria
QR Code

No Comments

Leave a Reply

NOSSO TIME

EXPEDIENTE


O ESQUEMA NOVO é feito por esta equipe supimpa!
#ESQUEMANOVO

REDES SOCIAIS


SEMPRE QUE PRECISAR

FALE CONOSCO


Dúvidas, elogios, envio de material, palpites
e até mesmo xingamentos por aqui!

INSTAGRAM